O ESCLAVAGISTA


Receara a diferença;
O medo prevalecera
nos fantasmas que assassinara
e a violência
era forma de expressão.

Chicoteara com palavras,
na senzala de sua aldeia,
os escravos da imaginação…
No tronco que erguera
orgulhoso.

Agora,
rompiam-lhe pelos olhos
lágrimas de mil negros,
na face outrora
rosada.
O riso cínico afogava-se
perante tal.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s