OLHAR-TE


Sentir um perfume assim;
o rebentar das ondas
do mar dos sonhos.

Olhar,
supor o suposto.
Acreditar
e transpercorrer o teu mundo.
De Norte a Sul, viver-te
senão, fingir a alegoria de te esquecer.

Voltar.
Voltar
e saber o caminho.
Do rebentar das ondas
guardar,
guardar o teu mar.
Se tu percebesses
eu nadava em ti
ou então aprendia
a afogar-me!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s