RASCUNHO DO SABOR


Havia um rascunho de sabor
naquele toque
soprado de quereres.

Um travo adocicado
pode durar um décimo de segundo
e não ser esquecido
se vier depois do fel.

Pensar que podia fingir,
inventar um doce
onde não existisse espaço
a mais para reduzir
e as palavras escritas
fossem mais que rebuçados peitorais.

Um sofrer sem que por algo seja
e deitar as culpas ao coração
e então perder razões
e sorver outros alcances.

Correr em volta da lei
e sonhar
modernices, devedoras da mesma confiança
que se entrega
ao falante que vende pregões
com a mesma falácia
do homem que fazia chover.
Um sabor inventado…
Ainda assim
anunciado a coberto de uma imagem
E mais de dedos nus,
para provar da lama
confundida no tacho ao lume.

Um sorteio que se aceita
como o castigo
que se vê os outros terem
Um prémio que pode ser aceite
ao despir um pedaço de caramelo
e envolvê-lo com a mesma língua
que denunciará
o sabor que não se repete.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s