APETITES DA LOUCURA


Uma mesma noite,
Outra qualquer
e a morada dos sonhos
e dos apetites
da loucura.
Houve aquelas que se ocultam
em travesseiros
alheios ao REM
e a outros movimentos nocturnos.

Outra noite
queimada no peito
e vão projectos de palavras
na mente oca
das sanidades
e encontrar pensamentos
por preencher
e outras razões.

Outra quase Noite,
uma estranha forma
de solidão
madrugada triste
e ao mesmo tempo
sem esperas
de o deixar de ser.
Soluções que se buscam
em livros de filosofia,
como se fossem
prescrição médica
com o valor
que pode ter
uma folha de papel em branco.
O tom pálido
Que é daquilo
que pode vir a ser
Perde-se
na longa que é a noite.

A inércia
do sentir de qualquer coisa
que não seja
mera iguaria mundana.
Fingir
o sossego
e encontrar silêncios.

Mascarar a voz
na acalmia da noite
não nos ensina nada.
Talvez
ignore a proibição
que pode existir
em contar ovelhas
pelos dedos
e sumir em frente
como se fosse
o pastor dos loucos.

Anúncios

One thought on “APETITES DA LOUCURA

  1. Olá, mais um poema que só o Luís poderia escrever, gostei muito, continue pois eles nos dão esperanças nesta vida tão complicada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s