VOZ


Uma voz meiga
e doce, invulgar;
Quase inocente, julgada
o bastante
para despertar
arrependimentos
e retratos
mal tirados!

Olhamos e ignoramos,
a mesma
vontade de conhecer…
Abandonamo-nos
de receios.

O problema
dos nossos olhos
é deixarem ver
o que escutamos,
tão facilmente
como os fechamos
quando queremos
não lembrar das fronteiras
e dos dias
das nossas escolhas.

Um instante
de porquês
e um livro
quase imóvel
como a serra
e descobrir,
como é diferente
ver a mentira
do nosso lado.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s