ACASOS


Submeti-me ao som da madrugada,
dispus do palco escondido,
diante do reboliço das sombras
nada se compromete.
Ela estava nua!
Aguardava, despojada do silêncio
que abraçara no inicio da noite.
Às vezes sonhava com palácios
e princesas,
agora bebia de uma poça
onde estagnara também o olhar.
Corri pela estrada mais curta.
O imenso nada
a beijar de promessas,
como indicações que se perdem
pelo caminho.
O olhar a levantar-se
como ritual em sinal de vitoria.
No cacimbo do trono,
as mãos olharam,
como sons arrancados,
no limiar de tudo e do veio a seguir.

Anúncios

One thought on “ACASOS

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s