IMPOSTOS, COMO ESPERANÇA


Para não sentir o cheiro da rua,
medi as fracas dimensões
das vestes produzidas nos palácios
e juntei os pés e as mãos
num embrulho que não se pode oferecer.

Fui, antes de lá chegares,
mas a surpresa foi minha.
Ouvi a tua voz,
apenas para saber das horas.
Chovia aquela água, nos degraus
da tua porta
embriaguei alguns passos trocados,
era tão poucos que me envergonhei e cai!

Para não ser o mártir, o líder
despiu o corpo,
o vinho corria nas ruas
mas podia pulsar nos pulsos,
impostos, como esperança.
Sorri, sabia onde estava!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s