OS OLHOS FORAM LÁ ONDE FICA O PENSAMENTO


Vi demais, os olhos se embaraçaram
como um estrondo a roçar as mãos
e eu inventei as horas,
como um pequeno seguro, obrigatório
para quando as cortinas arribarem o palco.

Tenho como certo os mecanismos,
interiorizam a sobra da beleza,
somada docemente.
Evitei as fontes, sobre os corpos
levitam os fios atados, pequenas tramas,
as ciências quase exatas, descobrem quase tudo.

Elevam-se as cores de um só trago,
o teto ampara o bilhete,
ninguém leu o que escrevi.
Desmedidos sons, prometem ruturas,
mas trazem os pés marcados
e calçados nas melhores avenidas.

Uma imagem que se torna mais imagem
se a formos procurar no cinema,
a preto e branco,
esvaem-se os fingimentos
e o sábio encontrou a ementa no cais da fuligem,
o luxo e as poções mágicas!

Em meu pensamento aprendi a história,
o nosso desejo parece outro lugar,
só faz sentido como se fosse um livro,
de outra forma enlouqueceria, decidido,
arrastado neste planalto imenso!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s