IRONIAS


Cidades que se levantam
tocam o céu tão rápido
como as nossas mãos.
Numa rua com uma casa de sonho,
um cofre com um segredo,
uma memória mal explicada
repetida como uma rima.
Casas como castelos
banhados em espuma,
venezas a fazer de tempo
e uma quase babilónia, um murmurio
uma despedida como um salto
em frente, alturas medidas
em mãos apertadas
um lapso chamado direitos.
Ironia ao fim da tarde
sem preconceitos!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s